Artigo do leitor: “Qual será o futuro das populações ribeirinhas de Sento Sé?”

9
721
Serra da Bicuda -Comunidades de Pascoal, Limoeiro e Aldeia - Lago de Sobradinho.

Neste artigo enviado ao Blog pela Comissão das Comunidades de Sento-Sé, Norte da Bahia, integrantes de 16 organizações de trabalhadores ribeirinhos, localizados nas margens do Rio São Francisco, se juntaram para assinar uma carta-denúncia em que pedem esclarecimentos aos órgãos públicos municipais, estaduais e federais sobre o fluxo intenso de transportes pesados na região que carregam mineração. Segundo os ribeirinhos, a ação trata-se de um desrespeito com as comunidades. Confiram a carta na íntegra:

Qual será o futuro das populações ribeirinhas?

Nós, das comunidades tradicionais ribeirinhas localizadas no entorno da Serra da Bicuda em Sento Sé/BA, às margens do rio São Francisco (Ponta D’Água, Volta da Serra, Cajuí, Retiro de Cima, Retiro de Baixo, Tombador, Pascoal, Limoeiro, Aldeia, Andorinhas e Itapera), impactadas pela Tombador Iron Mineração, denunciamos a seguinte situação:

A chegada de 20 carretas bitrens para transportar a produção da Tombador Iron Mineração, no dia 25 de maio de 2021, mais uma vez demonstrou o desrespeito da empresa com as populações das comunidades acima citadas. Não fomos informadas sobre a chegada dos transportes de grande porte, tampouco das licenças concedidas à Tombador Iron pelas instâncias Federal, Estadual e Municipal. Licenças essas concedidas sem a realização da consulta prévia, livre e informada às comunidades.

Nós, das comunidades, perguntamos: Essas estradas que ligam Sento Sé às comunidades irão suportar o tráfego constante dessas carretas com dezenas de toneladas de minério? As pessoas que têm suas roças à margem das estradas de chão conseguirão trabalhar em meio a tanta poeira provocada pelo transporte? As estradas públicas se tornaram privadas? Como nós, das comunidades, iremos trafegar para a sede do município em meio tanta poeira e velocidade com que esses veículos passam? Nas estradas onde eles atravessam, vamos perder o direito de ir e vir, visto que eles não têm o menor respeito com o povo? E a estrada de Sento-Sé a Juazeiro, será que vamos voltar ao tempo que levava cinco horas pra chegar?

Os acidentes com certeza irão aumentar por conta da velocidade das carretas, pois os motoristas perdem a visibilidade com a grande quantidade de poeira. Para onde vamos? Em apenas 24 horas da chegada desses transportes, trabalhadores/as já estão impedidos de fazer atividades em suas roças, por conta da poeira. Como será o dia a dia das comunidades tradicionais ribeirinhas, tendo em vista que a Tombador Iron tem capacidade de produção de 400 toneladas de minério por hora?

Outra coisa que precisa ser esclarecida é: Se o Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA) concedeu a Licença de Operação no dia 20 de maio de 2021, como em quatro dias já havia material suficiente para carregar 20 carretas bitrens?

Exigimos respeito! Somos gente, das comunidades tradicionais, e seguimos na luta pelos nossos direitos!

Comissão das Comunidades Atingidas pela Tombador Iron Mineração

9 COMENTÁRIOS

  1. Olá salve salve!! lendo a matéria acima sinto um pouco de falta de conhecimentos dos denunciantes. Primeiro manutenção de estradas cabe ao estado e município segundo esse tipo de transporte existem em muitos municípios baianos a exemplo de Itiúba campo formoso e outros, quanto ao questionamento em da satisfação a população lembro-me que a mineradora convocou uma reunião na câmara de vereadores para apresentar o projeto e da esclarecimentos. um grupinho de umas dez pessoas se comportaram de maneira diga-se de passagem muito mal educados não dando oportunidade aos responsáveis da mineradora da esclarecimentos sobre o empreendimento. Lembrando que em nosso município existe um garimpo ilegal ceifando muitas vidas e não trazendo benefícios nenhum para população e do conhecimento de todos que essas pedras são transportadas para fora do estado até fora do país. Hoje a iron. mineradora esta empregando mais de 100 empregos diretos trazendo benefícios para toda a população com muitos desempregados.
    ´

  2. Haja ignorância e falta de conhecimento!!! o texto acima denuncia que as estradas publica virou privado qual será o futuro dos ribeirinhos. Alguém ai já subiu na serra da quixaba aonde de maneira ilegal existe um garimpo que quase todo dia more trabalhadores sem carteira assinada de maneira arriscado para onde vai o dinheiro das pedras? Com a resposta as 16 organizações de trabalhadores ribeirinhos.

  3. É me parece QUE o embate vai ser grande e o pior entre as mesmas pessoas. Só quero lembrar à população de Sento Sé que este mesmo progresso foi anunciado na década de 70, época da construção da Barragem de Sobradinho onde a população foi desalojada em nome de um progresso que até hoje não chegou. Eles prometem tudo, conseguem tudo o que querem e o retorno é mínimo, apenas para consolidar seus metas projetos junto à população. Geralmente são empresas multinacionais onde até os impostos vão para suas matrizes no exterior deixando para atrás a imensurável destruição. Avante população ribeirinha de Sento Sé e não se iludam, pois o progresso do rico nunca andou de mãos dadas com o progresso do pobre. “RICO É COMO MANDACARU DÁ SOMBRA MAIS NÃO DÁ ENCOSTO.”

  4. Bom tbm acho o avanço tecnológico muito bom pra região!
    Porém que está sendo beneficiados?
    1 China
    2 As empresas de outras região
    3 Os políticos

    Não sabemos quando vai ter recursos pra cidade!
    Os empregos oferecidos são mínimos, mais da maioria veio de fora, inclusive esses bi-trem os motoristas tudo de Salvador os que estavam aguardo não foi chamado um

    Então a prefeita tem que ouvir a população
    Os empregos oferecidos são pros moradores?
    Os recursos vão melhorar a população?
    Quem tiver sua agricultura prejudicada vai indenizar?
    As estradas vao fazer outras?
    Vai ter hospital, médicos, escolas pro ribeirinhos?
    Qual a garantia de que o minério não vai afetar o Rio São Francisco?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui